13/09/2018

4 dicas para deixar o chimarrão ainda mais saboroso

Destemperados



Há pessoas que só iniciam o dia depois de beber o mate amargo, tem também aquelas que não dispensam a bebida ao fim do dia, curtindo o pôr do sol ou na varanda de casa com a sensação de dever cumprido. O chimarrão é uma instituição dos gaúchos – não é à toa que “matear” já se tornou um verbo. Passar a cuia de mão em mão é um momento de união e aconchego. Do ponto de vista social, servir um mate a um visitante demonstra a hospitalidade do gaúcho, o quão confortável e aberto ele é para uma prosa. Esse costume faz com que todos se sintam em casa e acolhidos. Um gesto simples, mas que diz muito sobre as pessoas do sul do Brasil.

Abaixo, cinco detalhezinhos que podem deixar teu chimas ainda mais saboroso:

A cuia
• Existem dois modelos mais comuns. As uruguaias, também chamadas de gajeta ou coquinhos, são menores e mais usadas quando se quer tomar o mate sozinho. Além disso, elas têm a vantagem de possibilitar um consumo rápido, antes que a água esfrie. A cuia gaúcha, ou bago de toro, é aquela que é desenhada pelo porongo. Geralmente tem um pescoço curto e o fundo mais arredondado. São as mais tradicionais e muito utilizadas quando se compartilha o chimarrão.

A bomba
• A bomba deve ser preferencialmente de aço inoxidável, pois não deixa gosto e não interfere na bebida.

A água
• Três fatores devem ser levados em conta quando servimos a água. Em primeiro, a qualidade, ela deve ser mineral ou filtrada. Em segundo, a quantidade, que também é importante. Se houver pouca água, o mate pode entupir. O certo é preencher a cuia até o pescoço. A temperatura deve ter em torno de 70 graus para que não queime a erva, mantendo o sabor e as propriedades benéficas.

A erva
• É preciso cuidar a data de fabricação da erva, quanto mais nova melhor. Ela deve ser sempre armazenada no freezer, por ser sensível e se modificar muito com o tempo. As baixas temperaturas mantêm por mais de dois anos os sabores originais da erva-mate.

TIPOS DE ERVA:
Nativa
• A erva-mate nativa é feita com a planta Ilex Paraguarienses colhida em seu habitat natural. A produção é feita, em sua maior parte, no Paraná. O resultado é uma erva suave, não tão amarga, bastante utilizada para fazer chimarrão.

Tradicional
• Diferente da nativa, a erva-mate tradicional é cultivada especialmente para a produção. Muito encontrada na região de Venâncio Aires, é utilizada tanto para chimarrão quanto para tererê. A mistura de 70% de folha e 30% de caule tem um nível de amargor intermediário.

Moída grossa
• Essa denominação se refere ao tipo de moagem a que é submetida a erva após a desidratação e secagem. O processo faz com que os pedaços das folhas sejam menos processados, mantendo o amargor.

Pura folha
• O processamento é feito exclusivamente com as folhas da planta, deixando o sabor mais amargo entre os tipos já citados. É mais consumida na Argentina e no Uruguai e, geralmente, funciona melhor em cuias de formato coco, pois a quantidade

Por Natália Frighetto
Enóloga e sommelière da Casa Destemperados

Receba nosso conteúdo!

Digite um nome válidoDigite um nome válido
Digite um e-mail válidoDigite um e-mail válido

Cadastro efetuado com sucesso!

Erro no Cadastro!

Email já cadastrado!

Mail Chimp erro: