17/08/2018

Assemblage, corte ou blend: a mistura de uvas que produz vinhos complexos

Destemperados

* Por Natália Frighetto, enóloga e sommelier da Casa Destemperados

Prática milenar, a assemblage, como é chamada pelos franceses, nasceu com o objetivo de aperfeiçoar os vinhos. A mistura da fruta preta do merlot, com estrutura média e acidez equilibrada, com as frutas vermelhas e a presença de taninos dos cabernets resultam em um vinho mais complexo e intenso de aromas e sabores, além de oferecer um corpo e persistência maiorem boca.

Até o início da produção de vinhos no novo mundo, os rótulos europeus se destacavam muito mais pelas regiões produtoras do que pela variedade de uva. Bourdeaux, na França, por exemplo, é mundialmente conhecida e famosa pelos seus vinhos, e consequentemente conhecida pelo corte bordalês. O blend entre cabernet sauvignon, cabernet franc e merlot conquistou os enólogos e os apaixonados pela bebida. A Appellation D’origine Contrôlée (AOC) permite outras 13 variedades de uva como caménère e malbec, além da presença das brancas sauvignon blanc e semillon na composição do corte bordalês.

Mas, não é apenas em vinhos tintos que ocorre a assemblage. A produção de champagne, espumantes e cavas também utiliza dessa técnica. O objetivo é o mesmo: buscar o que de melhor a safra produziu naquele ano e unir com as outras variedades, para dar equilíbrio. Por exemplo, na elaboração de espumantes, geralmente se utiliza as uvas chardonnay e pinot noir – uma branca e outra tinta. Desse blend pode-se gerar espumantes brancos e rosés, produtos mais frescos e jovens, como também vinhos mais encorpados e intensos.

No entanto, muitos críticos afirmam que o corte acaba não valorizando o terroir do local de produção, e que isso ocorre somente com o vinho varietal (produzido com apenas uma casta). Opiniões à parte, grandes vinhos do mundo se compõem com a assemblage para aprimorar aquilo que a safra produziu. Mais cor de uma variedade, mais aromas frutados de outra, para juntos compor um produto ícone.

Essa prática de misturas, inclusive, é utilizada em uísques e até mesmo nos azeites. Uma variedade mais frutada, como a Koroneiki, pode ser misturada com uma oliva menos persistente, como a Arbosana, gerando um azeite incrível. São produtos diferentes, mas que utilizam da técnica da assemblage para buscar sua melhor composição.

Receba nosso conteúdo!

Digite um nome válidoDigite um nome válido
Digite um e-mail válidoDigite um e-mail válido

Cadastro efetuado com sucesso!

Erro no Cadastro!

Email já cadastrado!

Mail Chimp erro: