14/01/2019

Assados Giovanaz: a reinvenção de um clássico

Bárbara Zarpelon

Eu amo a Giovanaz. Desde os tempos em que eles tinham uma churrascaria que não atendia por esse nome no Bom Fim, pertinho da Lanchera (olhem que maravilhoso background gastronômico esse bairro me proporcionou). Eu lembro que, quando meus pais trabalhavam até mais tarde e rolava a preguiça de ir pra cozinha, a “churrascaria dos gringo” era opção que deixava toda a família feliz. De lá pra cá, nesses bons 25 anos, fui uma forte embaixadora da polenta frita e da salada de maionese desse lugar que faz parte da memória gastronômica de muitos.

Eis que, em um belo dia, alguém falou na reunião de pauta sobre uma novidade na cidade: Assados Giovanaz. Ninguém soube dizer se tinha alguma relação com a oficial, inclusive rolou aquele ranço imediato pensando que podia ser alguém querendo pegar carona na NOSSA GIOVANAZ. Chegamos a procurar informações na internet, só achamos um cardápio bonito demais e que anda dizia ACEITAMOS CARTÕES. Tudo muito suspeito, virou uma questão de honra pra mim. E lá fui eu desvendar esse mistério.

Leia também:
Churrascaria Giovanaz: honesta e de qualidade
Lugares para comer um bom churrasco em Porto Alegre
4 dicas de churrasco com o Mestre Churrasqueiro


A localização me agradou desde o início, fica ali na Duque, ao lado da padaria La Tasca.  Aquela vibe maravilhosa do centro histórico. Fachada bonita, uma casa histórica que visivelmente foi restaurada e reformada. 
O ambiente zero cara de churrascaria. Poderia ser um bar de drinks: área externa cheia de verdes, paredes de tijolinho e um banheiro vintage maravilhoso com uma banheira. 
Ainda parecia muito Nutella. 

Fotos: Bárbara Zarpelon

Embora tudo levasse a crer que, não, não tem nada a ver com a Giovanaz, eu tinha uma carta na manga: a salada de maionese. 
Eu amava aquela salada de batata desde a infância, conhecia suas curvas e sabia que ela seria a prova dos nove na minha investigação. Eu já não aguentava viver com aquela dúvida, então fomos aos finalmente.

O sistema é a la carte, várias opções de entradas, ótimas opções de cortes e os acompanhamentos. 
Ah, tudo assada na parrilla!

- Pimentão recheado com queijo ($20): pimentão amarelo partido ao meio com MUITO queijo e um temperinho especial. Delicioso pra começar os trabalhos.

- T bone ($60): esse corte é aquele que vemos nos desenhos animados, um osso em formato de "T" com carne dos dois lados. 
O lado maior é de contra filé, e o lado menor é filé mignon. O cardápio dá a informação da gramatura de cada corte, e esse era de 800gr. Vamo dale!



- Assado em tira ($45): um dos meus cortes favoritos, e um bom balizador das habilidades do assador da casa já que o ponto é bem específico. O garçom pergunta qual o ponto da carne, vantages do a la carte. 

Também sou a louca do entrecot, mas seria comida demais pra duas pessoas. Passa a régua aí, e coloca junto uma porção de polenta e, obviamente, UMA SALADA DE MAIONESE.

Os pratos chegaram todos juntos, aquela visão do paraíso de mesa cheia, aquele nervosismo de POR ONDE COMEÇO. 
Passei a faca no Tbone, ponto perfeito, vermelhinho por dentro. Assado de tira carnudinho e suculento. Tudo acompanhado de vinagrete e uma farofa de alho poró maravilhosa.



Mas eu estava ali por um motivo claro: tem ou não tem o selo Giovanaz?
Olhei a maionese. Branquinha, batatas no tamanho certo e com aquele tom lustroso que conheço de outros carnavais. Provei. Anjos cantaram uníssonos. 

Ninguém me engana, aquilo ali era Giovanaz raíz. A garfada perfeita da polenta com a maionese e a espetada final em um pedaço suculento de carne. A vida é maravilhosa.

Finalizamos com uma ambrosia de doce de leite que, MEU DEUS, tem que provar (nem gosto de ambrosia, pra mim tem cara de algo que não posso falar, mas enfim, essa é incrível). 

Na hora de pagar a conta, fiz a pergunta fatídica pra moça que nos atendeu: É ou não é da família Giovanaz? Sem dar muitos detalhes, ela respondeu que sim. 
E eu, levantei a plaquinha: EU JÁ SABIA ️.

Assados Giovanaz
Endereço:
 R. Duque de Caxias, 684 - Centro Histórico
Telefone: (51) 3228-2078
Horário de funcionamento: terças e quartas, das 11h às 14h30 e das 18h30 às 22h; quintas e sextas, das 11h às 14h30 e das 18h30 às 23h; sábados, das 11h às 15h e das 18h30 às 22h; domingos, das 11h às 15h
Formas de pagamento: aceita todos os cartões
Redes sociais: tem Facebook

Receba nosso conteúdo!

Digite um nome válidoDigite um nome válido
Digite um e-mail válidoDigite um e-mail válido

Cadastro efetuado com sucesso!

Erro no Cadastro!

Email já cadastrado!

Mail Chimp erro:

RS Bárbara Zarpelon