07/06/2009

Club 647, Inovação em San TelmoAR

Diego Fabris
Club 647, este é o nome do mais surpreendente e inusitado restaurante que fui em Buenos Aires na última trip. Misturar um espírito vanguardista com a tradicional elegância portenha é a proposta do lugar. E o faz muito bem.
Já na entrada, o cenário impacta. Ambiente escuro, suntuosos lustres e staff vestido impecável. Do lado esquerdo, boxes dedicados a um private happy hour, que fica mais picante com as ousadas imagens dos quadros.
No ambiente das mesas, o mesmo espírito. A única decepção que tive foi com a quantidade pequena de gente no lugar. Não sei se era por se uma segunda-feira que era feriado só pra gente ou se o lugar fica assim sempre.
Em um ambiente separado, no andar superior, o Club 647 oferece uma dinning suite, com uma senhora mesa para 16 pessoas e uma sala de estar anexada. Simplesmente demais.
Porém, antes de sentar para comer, não nos seguramos e ficamos na barra de tragos.
Eis que descobrimos a vocação sensacional do lugar para os drinks. Os melhores que tomamos na viagem e um dos melhores da vida. O campeão disparado foi o Vitapirena, com vodka de lemon grass, mel, gengibre, limoncello e suco de lima.
Tomamos vários da carta. Destaque para o Cantaloupe Island com tequila, melão, Liquore Strega, Earl Grey Tea e manjericão. Ou ainda o bom Poisonvilla com gin, flores de lavanda e suco de lima. E por que não falar do Catch-a-May com vodka de tilo, syrup de maçã, Liquore Strega e bebida de ervas.
Bom, depois de uns 3 drinks per capita, fomos pra mesa de vez. E começou um espetáculo gastronômico com as entradas. Uma melhor que a outra. Marco e Nardi foram numa salada tíbia de Portobello e bacon defumado, sobre uma masa Philo, com um flan de tomilho.
Geraldo se puxou. Pediu um carpacio de ternera, com huevo mollet e vinagrete de tomate defumado. O ovo causou estranheza na galera, mas o sabor fez ele ser bem aceito logo a seguir.
Eu optei por uma noite dedicado ao pato. De entrada, um strudel de pato e queijo brie com redução de “fondo escuro e miel de caña”. Te mete!
As entradas foram tão sensacionais que ofuscaram um pouco os pratos principais. Mas isso numa escala que foi do excelente ao ótimo. Marco pediu um salmão com endívias braseadas e trio de tartares.
Geraldo provou um risoto de milho com queijo mascarpone, Portobellos e brócolis salteados.
Eu e Nardi fomos no mesmo prato, o Pato en Tres Cocciones. Magret, confit e no recheio de uma tortinha. Acompanhado ainda de um molho de maracujá. Muito, muito bom.
Um prato desses merece replay né. Sente esse take.Sobremesas depois de tudo isso? Sim, claro! Pedi um semi-freddo de maçã com crumble de avelãs e creme de canela.
Marquito também pediu, só que foi num mini pastel frio de mascarpone com frutas secas e uma espécie de sorbet de pomelo e melancia. Pra lá de diferente.
Well, só tinha sobrado a gente no restaura. E vontade era de ficar ali por mais uns rosés que começaram no jantar. Mas era hora de partir. A conta poderia ficar na casa dos 80 reais por pessoa, mas devido a drinks e vinhos passou da casa do 130 reais. Mesmo assim, valeu e muito.

Club 647 
Tacuarí, 647 
San Telmo – Buenos Aires – Argentina 
(54 11) 4331.3026 
Aconselhável reservar antes

Receba nosso conteúdo!

Digite um nome válidoDigite um nome válido
Digite um e-mail válidoDigite um e-mail válido

Cadastro efetuado com sucesso!

Erro no Cadastro!

Email já cadastrado!

Mail Chimp erro:

Free Pass Diego Fabris